Jovens radialistas participam do V Grito do Semiárido

O 5º Grito do Semiárido Piauiense foi realizado em grande estilo, à moda singular dos povos do Semiárido Piauiense! O povo foi à Avenida dos estudantes em São Raimundo Nonato no dia 21 de setembro revestido da coragem e resistência, que não é apenas um adereço impar desse povo, mas seu estilo de alma. Com música e mística que fortalece sua luta e identidade o povo seguiu pelas ruas acordando as sementes que ainda dormiam sem saber que seu solo está em prospecção e que é hora de despertar para gritar por políticas públicas efetivas para seu chão.

E assim seguiu uma multidão de boas sementes pelas ruas de São Raimundo Nonato, gritando por um solo fecundo, sem ameaças de agrotóxicos, sem mineração, sem lixão, com água e com a garantia de sua propriedade para se desenvolver e dar bons frutos à esse globo fascinante que chamamos de terra. As jovens sementes mostraram sua força, uma juventude despida de medo e preconceitos mostrou, em marcha que a moda não é self, mas o registro da luta daquele povo da qual são parte, mostraram que a atitude que está em alta é a transmissão da voz do povo, de suas lutas e conquistas, reivindicações e decisões.

A voz das comunidades foi anotada e registrada pelas lentes e pelas impressões dos jovens Radialistas do Semiárido, jovens de comunidades que se fizeram presentes, universitários e estudantes das escolas públicas de São Raimundo Nonato, e, a jovem Mariana da comunidade Morro do Mel falou para todos sobre as preocupações de sua comunidade, uma delas é o lixão implantado na comunidade, e a mineração que já está em fase de pesquisa avançado. São jovens sementes que despertam e que gritam por um solo saudável para se desenvolverem e se tornarem bons frutos.

O povo marchou em passos firmes com música, causa e convicção até o Poliesportivo da UESPI, onde pela primeira vez, depois de 5 anos de manifestação, estavam para ouvi-los, os representantes de órgãos do governo e ministério público. Aceitaram o convite para a audiência e marcaram presença: Secretario de Estado de Meio Ambiente-SEMAR; Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária-INCRA; Secretaria de Desenvolvimento Rural-SDR; INTERPI- Instituto de Terras do Piauí; Promotoria Regional de Meio Ambiente. A audiência teve duração de quatro horas, foi dividida por blocos: fala das entidades- FETAG, Fórum Piauiense de Convivência com o Semiárido- FPCSA, CPT-PI - Comissão Pastoral da Terra; bloco dos agricultores e agricultoras que já sofrem com os impactos dos grandes projetos na região; bloco com fala dos convidados.

Foi um grito pronunciado por uma diversidade de povos, de cores, religiões, sexo, idade, e diversas comunidades, mas todos com uma só voz: É no Semiárido que a vida pulsa, é no semiárido que o povo resiste! Mineração? Aqui não! Queremos políticas públicas para o Semiárido! Queremos respostas! Essa é nossa luta, esse é nosso estilo.


Repórter: Elaine Dias

Comente!